‘5 Casas’: longa documental introspectivo e inquieto estreia nos cinemas em setembro

 

Grande vencedor do 31º Cine Ceará, filme autobiográfico chega às salas comerciais

Em uma cidadezinha no interior do Rio Grande do Sul há cinco casas e cinco histórias que se confundem em uma mesma. Uma velha professora lutando para manter sua casa de pé, um jovem que sofre agressões por se recusar a esconder sua natureza, uma freira sendo transferida da escola que regeu com punho de ferro por décadas, um velho capataz em uma fazenda mal assombrada e um menino cujos pais morreram 20 anos atrás e que é hoje o diretor que volta para buscar as memórias de sua infância perdida e dar voz a essas pessoas. Histórias distintas, mas que juntas pintam um retrato pungente de um Brasil marcado por apagamentos e desigualdade.

 

O documentário “5 Casas” chega às salas de cinema de todo o Brasil em setembro. Em seu longa de estreia, o diretor e artista visual gaúcho Bruno Gularte Barreto faz uma viagem ao seu passado no interior do Rio Grande do Sul. O caminho trilhado pelo realizador encontra as histórias de vida dos habitantes das cinco casas do título, com a sua própria como fio condutor. O filme terá pré-estreia no dia 27 de agosto (sábado), às 19h, na Cinemateca Capitólio (Porto Alegre). O trabalho também deu origem a um livro e uma exposição de arte de mesmo nome lançados em 2021.

“Quando eu fui embora da cidadezinha de Dom Pedrito, eu estava cheio de dor”, relembra o diretor, que também é o narrador do filme. “As memórias da cidade estavam contaminadas não apenas pelo luto, mas também por que eu – assim como as pessoas nas cinco casas – sempre me senti um ‘outsider’ na sua sociedade conservadora”, pontua. Bruno perdeu a mãe aos oito anos, vítima do câncer que assola a região onde nasceu, causado pelo uso desenfreado de agrotóxicos nas plantações próximas. Cinco anos depois, a mesma doença levou seu pai. Logo após, ele e seus irmãos deixaram a cidade.

Sem olhar para trás, Bruno deixou guardadas caixas de papelão com lembranças familiares em um galpão situado na fazenda do avô. Vinte anos depois, uma tempestade que arrancou parte do telhado do local o fez voltar à sua cidade natal. O documentário registra a redescoberta deste material. E o filme vai além da memória afetiva evocada por objetos, livros e fotos de família. A narrativa vai também ao encontro de pessoas que marcaram a infância do cineasta e de suas atuais realidades, trazendo à tona questões urgentes e emblemáticas do Brasil contemporâneo, como o etarismo, a especulação imobiliária, a homofobia e o conservadorismo.

O diretor interage com quatro personagens distintos, começando por uma velha professora de francês que toca um piano desafinado em uma pequena casa cercada de árvores. Ela luta para manter sua casa contra as construtoras que querem demoli-la para a construção de um prédio. Um homem vive há mais de 40 anos em uma fazenda isolada, que dizem ser mal assombrada. Um grupo de freiras conduz rigidamente uma escola, em especial uma delas, cuja transferência para outra localidade causa revolta na cidade. E um jovem gay sofre bullying e agressões por não conseguir esconder sua natureza, revidando e afirmando sua existência contra tudo e todos.

“As memórias deles são parte da minha história, e registrar as nossas conversas é uma forma de lhes dar voz”, reflete Bruno. “Não é apenas uma forma de contar a minha história, mas sim de contar a nossa história através da voz deles”, conclui. “5 Casas” teve sua première mundial no maior festival de documentários do mundo, o Festival Internacional de Documentários de Amsterdã (IDFA). O longa passou por vários festivais como o Biografilm (Itália), o Queer Lisboa (Portugal), o Cinélatino (França) e o Festival de Viña del Mar (Chile), onde recebeu o prêmio de melhor longa documental.

No Cine Ceará, um dos mais importantes festivais do Brasil, levou o grande prêmio de melhor filme, além de roteiro e som. Também foi premiado no Panorama Coisa de Cinema e no Atlantidoc (Uruguai). O filme participa da seleção do 50° Festival de Cinema de Gramado. “5 Casas” é uma produção da Vulcana Cinema, com coprodução da TAG/TRAUM e Estranho Produções e distribuição da Lança Filmes. O financiamento é do NRW Film und Medien Stiftung (Alemanha), IDFA Bertha Fund (Holanda) e do Prodecine 5 – Inovação de Linguagem – Fundo Setorial do Audiovisual, através da Ancine e BRDE.

 

 

5 casas

 Em uma cidadezinha no interior do Rio Grande do Sul há cinco casas e cinco histórias que se confundem em uma mesma. Uma velha professora lutando para manter sua casa de pé, um jovem que sofre agressões por se recusar a esconder sua natureza, uma freira sendo transferida da escola que regeu com punho de ferro por décadas, um velho capataz em uma fazenda mal assombrada e um menino cujos pais morreram 20 anos atrás e que é hoje o diretor que volta para buscar as memórias de sua infância perdida e dar voz a essas pessoas. Histórias distintas, mas que juntas pintam um retrato pungente de um Brasil marcado por apagamentos e desigualdade.

Documentário  5-CASAS-Bruno-Gularte-Barreto-31-300x200 '5 Casas': longa documental introspectivo e inquieto estreia nos cinemas em setembro
EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish