fbpx
Marinho-Laranja-Abóbora-em-Aquarela-Outono-Capa-para-Facebook-1 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual

A poesia visual é uma forma de expressão muito rica. Muitas vezes confundida com a poesia concreta, sua própria definição é fonte de debate entre acadêmicos preocupados com os limites entre a linguagem verbal e as artes plásticas. Fábio Bahia se aventura nesta escola e é com grande satisfação que trazemos alguns de seus trabalhos.

foto7 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto2 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto12 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto9 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto4 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto10 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto6 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto11 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto8 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto1 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual
foto3 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual

Sobre o autor

Fábio Bahia nasceu em Santaluz, Bahia. Licenciado em Letras e Especialista em Segurança Pública, já foi premiado em concursos literários, publicado em antologias sites e revistas no Brasil e na Espanha. Publicou os livros “Ferramentas dos Deuses”, 2014, contos juvenis e “Testemunho do Projétil que Matou Maiakovski”, 2016, poesia livre, concreta e visual. 

Foto-do-Autor-1-225x300 A Poesia Visual de Fábio Bahia Poesia Visual

Poesia Visual

Muitas vezes confundida com a poesia concreta, pelo caráter imagético desta, ocorre que a poesia visual tem um caráter inclusivo, existindo poemas visuais desde a Antiguidade. A poesia concreta tradicional jamais prescinde da linguagem verbal, seja na sua forma escrita ou fonética. 

O poema visual mais antigo que se tem notícia é “O ovo”, de Simmias de Rodes (300 a.C.), poema onde o texto se distribuía em formato de ovo. Este poema era uma espécie de caligrama, embora tal denominação ainda não existisse. 

São exemplos de poesia visual o próprio caligrama, a maior parte da poesia concreta, Un Coup de Dés Jamais N’Abolira le Hasard de Mallarmé, a maior parte da poesia de e.e. cummings, os poemas dos letristas e futuristas que exploraram recursos tipográficos, bem como os poemas de Joan Brossa e Wlademir Dias-Pino, estes dois prescindindo de texto escrito em seus trabalhos, muitas vezes. Podem também ser qualificados como poemas visuais muitas colagens de Kurt Schwitters, artista que chamava todas as suas obras, sem distinguir gênero artístico, de Merz. 

No poema visual, o conceito de poesia é um conceito mais abstrato do que prático, podendo ser uma qualidade inerente a qualquer obra de arte e o conceito de texto é ampliado para qualquer trama de signos com sentido simbólico, podendo, por exemplo, um diagrama ser considerado um poema. 

Independente da validade do conceito de poesia visual como literatura, seus artistas têm produzido trabalhos relevantes, em muito se diferenciando da poesia concreta, que admite um certo brutalismo e organiza as partes da obra por paranomásia, sonora ou visual, enquanto muitos poetas visuais privilegiam a metáfora como elemento principal do seu dito poema. 

Fonte: Wikipedia