fbpx

paco urondo

Paco Urondo foi perseguido e assassinado por seu trabalho poético, e também por suas idéias políticas, durante a ditadura militar Argentina

A VERDADE É A ÚNICA REALIDADE
 
Do outro lado da grade está a realidade, deste
lado da grade também está
a realidade; a única irreal
é a grade; a liberdade é real ainda que não se saiba bem
se pertence ao mundo dos vivos, ao
mundo dos mortos, ao mundo das
fantasias ou ao mundo da vigília, ao da exploração ou
da produção.
Os sonhos, sonhos são; as recordações, aquele
corpo, esse copo de vinho, o amor e
as fraquezas do amor, certamente, formam
parte da realidade; um disparo
na noite, na frente destes irmãos, destes filhos, aqueles
gritos irreais de dor real dos torturados no
“angelus” eterno e sinistro numa brigada de polícia
qualquer
são parte da memória, não supõe necessariamente
o presente, mas pertencem à realidade. A única aparente
é a grade quadriculando o céu, o canto
perdido de um preso, ladrão ou combatente, a voz
fuzilada, ressuscitada ao terceiro dia num vôo imenso
cubrindo a Patagônia
porque os massacres, as redenções, pertencem à realidade, como
a esperança resgatada da pólvora, da inocência
estival: são a realidade, como a coragem e a convalescença
do medo, esse ar que resiste a voltar depois do perigo
como os desígnios de todo um povo que marcha
até a vitória
ou até a morte, que tropeça, que aprende a defender-se,
a resgatar o seu, a sua
realidade.
Ainda que pareça às vezes uma mentira, a única
mentira não é sequer a traição, é
simplesmente uma grade que não pertence à realidade.
(Cárcere da Villa Devoto, abril de 1973)
 
REGRESSO AO PAGAMENTO
 

Não quero voltar
para aquele lugar
intransponível
e esquálido, onde tudo parece estar dormindo.

Eu quero calor,
dor, sem solidão
sentir
alegria, apesar de tudo.

Não quero ausências,
nem lágrimas. Não gosto
das mães, nem das carícias, nem dos bons entendimentos:
Fortunas tranquilas, empreendimentos inanimados:
obter de outros lugares,
para voltar. Retornar
ao o meu ponto de partida,
Me derramar como um jarro seco e consistente.

Eu não quero continuar dormindo
ao lado dessa fonte
que nenhuma sede acalma. Eu proponho
viver sem domínios, simplesmente.

Eu não sinto vontade de voltar
Que o meu santo sepulcro não espere que eu espere. 

Quero inventá-lo no último momento

sem pensar muito, sem muito ressentimento,

quando for necessário
Paco Urondo nasceu em 1930 em Santa Fé (Argentina) e foi um proeminente poeta nos anos 50. Alguns de seus títulos mais destacados são “Lugares”, “Adolecer” e “La patria fusilada”, que apresentam em comum o uso de linguagem coloquial, com elementos autênticos.
Também trabalhou como jornalista, sendo suas contribuições importantes em diferentes mídias nacionais e internacionais, como “La Opinión”, “Primera Plana” e “Noticias”.
Além disso, Urondo foi um ativista e durante a ditadura militar foi perseguido não só por seu trabalho poético, mas também por suas idéias políticas, publicamente expressas. Teve três filhos e foi assassinado pela ditadura militar Argentina em 17 de junho de 1976, com a filha.