Poemas de Castro Alves

Castro Alves, também conhecido como “o poeta dos escravos”, está registrado na história da literatura brasileira como um dos poetas mais engajados na luta contra a escravidão. Integrante da terceira geração do romantismo, voltada às questões sociais, é autor do famoso poema “O navio negreiro”, em cujos versos sobressaem-se a indignação quanto à desumana condição a que eram submetidos os negros trazidos à força da África.

O Século

O séc’lo é grande… No espaço 
Há um drama de treva e luz. 
Como o Cristo — a liberdade 
Sangra no poste da cruz. 
Um corvo escuro, anegrado, 
Obumbra o manto azulado, 
Das asas d’águia dos céus… 
Arquejam peitos e frontes… 
Nos lábios dos horizontes 
Há um riso de luz… É Deus. 
 
Às vezes quebra o silêncio 
Ronco estrídulo, feroz. 
Será o rugir das matas, 
Ou da plebe a imensa voz?… 
Treme a terra hirta e sombria… 
São as vascas da agonia 
Da liberdade no chão?… 
Ou do povo o braço ousado 
Que, sob montes calcado, 
Abala-os como um Titão?!… 
 
Ante esse escuro problema 
Há muito irônico rir. 
P’ra nós o vento da esp’rança 
Traz o pólen do porvir. 
E enquanto o cepticismo 
Mergulha os olhos no abismo, 
Que a seus pés raivando tem, 
Rasga o moço os nevoeiros, 
P’ra dos morros altaneiros 
Ver o sol que irrompe além. 
(…) 
 
Luz!… sim; que a criança é uma ave, 
Cujo porvir tendes vós; 
No sol — é uma águia arrojada, 
Na sombra — um mocho feroz. 
Libertai tribunas, prelos… 
São fracos, mesquinhos elos… 
Não calqueis o povo-rei! 
Que este mar d’almas e peitos, 
Com as vagas de seus direitos, 
Virá partir-vos a lei. 
 
Quebre-se o cetro do Papa. 
Faça-se dele — uma cruz! 
A púrpura sirva ao povo 
P’ra cobrir os ombros nus. 
Que aos gritos do Niagara 
— Sem escravos, — Guanabara 
Se eleve ao fulgor dos sóis! 
Banhem-se em luz os prostíbulos, 
E das lascas dos patíbulos 
Erga-se a estátua aos heróis! 
 
Basta!… Eu sei que a mocidade 
É o Moisés no Sinai; 
Das mãos do Eterno recebe 
As tábuas da lei! — Marchai! 
Quem cai na luta com glória, 
Tomba nos braços da História, 
No coração do Brasil! 
Moços, do topo dos andes, 
Pirâmides vastas, grandes, 
Vos contemplam séc’los mil! 
 
Pernambuco, agosto de 1865. 
 
Imagem – 00290010 
 
 
Publicado no livro A cachoeira de Paulo Afonso: poema original brasileiro (1876). 
 
In: ALVES, Castro. Obra completa. Org. e notas Eugênio Gomes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 198 

 

O "adeus" de Teresa

A VEZ PRIMEIRA que eu fitei Teresa, 
Como as plantas que arrasta a correnteza, 
A valsa nos levou nos giros seus… 
E amamos juntos… E depois na sala 
“Adeus” eu disse-lhe a tremer co’a fala… 

E ela, corando, murmurou-me: “adeus.” 

Uma noite… entreabriu-se um reposteiro… 
E da alcova saía um cavaleiro 
Inda beijando uma mulher sem véus… 
Era eu… Era a pálida Teresa! 
“Adeus” lhe disse conservando-a presa… 

E ela entre beijos murmurou-me: “adeus!” 

Passaram tempos… sec’los de delírio 
Prazeres divinais… gozos do Empíreo… 
…Mas um dia volvi aos lares meus. 
Partindo eu disse — “Voltarei! … descansa! …” 
Ela, chorando mais que uma criança, 

Ela em soluços murmurou-me: “adeus!” 

Quando voltei… era o palácio em festa! … 
E a voz d’Ela e de um homem lá na orquestra 
Preenchiam de amor o azul dos céus. 
Entrei! … Ela me olhou branca… surpresa! 
Foi a última vez que eu vi Teresa! … 

E ela arquejando murmurou-me: “adeus!” 

Marcelino Freire

Há muitos anos coordenando oficinas de criação literária, o escritor Marcelino Freire é um provocador. Suas provocações tem ajudado a tirar da “gaveta” muitos projetos de livros dos mais diversos gêneros por todo o país.

Leia Mais
EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish