fbpx

Confira a edição única da Revista de Poesia Navilouca, editada em 1974 pelos poetas Torquato Neto e Wally Salomão.

Navilouca foi uma revista de poesia e arte de vanguarda brasileira, que circulou em 1974. Inspirados pelas publicações do Concretismo, como Noigandres e Invenção, a revista  valoriza a poesia concreta, contrapondo rigor  à informalidade da geração mimeógrafo (que recebe várias designações: arte marginal, contracultural, underground, subterrânea, udigrudi, experimental, independente, pós-tropicalista)
 
O título Navilouca é uma palavra-poema criada por Waly Salomão, inspirada na Stultifera Navis (Nau dos insensatos), descrita por Michel Foucault no livro História da Loucura.
Os poetas Torquato Neto e Waly Salomão elaboraram em 1971 o projeto de uma revista que revelasse a produção poética experimental do Brasil da época, influenciada pelo Tropicalismo e pela contracultura. No entanto, o grupo não conseguiu reunir os recursos necessários para imprimir e distribuir a revista. Torquato morreu em 1972, sem conseguir ver a revista publicada.
 
A revista foi finalmente lançada em 1974 e oferecida como brinde de Natal a clientes da gravadora Polygram, patrocinadora do projeto. Em 1975, alguns exemplares foram distribuídos e vendidos em livrarias. O período marca o encerramento da Tropicália e inicia a gestação de um novo cenário para a cultura brasileira, reunindo artistas novos e outros consagrados pelo próprio tropicalismo ou por movimentos anteriores
O requisito de Oiticica para as colaborações era que fossem capazes de “assumir o experimental”. Assim, reunia textos teóricos, manifestos, autorretratos, cinepoemas e estruturas espaço-visuais. Em várias páginas, a imagem e o texto são inseparáveis, criando uma sintaxe própria, como proposições poético-visuais
A revista teve projeto gráfico de Óscar Ramos e Luciano Figueiredo. Em formato grande (27 x 36 cm), apresentava-se já na capa como “edição única”, funcionando como uma antologia de poetas experimentais.
 
A edição conta ainda com a participação luxuosa da tríade concretista, que apadrinhou a geração desbundada da poesia brasileira, que muito corria  nos anos de chumbo. Apesar de sua breve existência, a revista é considerada uma das mais importantes da contracultura, tornando-se um marco da nova poesia brasileira na década de 1970.

Confira a edição única da Revista de Poesia Navilouca, editada em 1974 pelos poetas Torquato Neto e Wally Salomão. Marco da poesia marginal e um ícone da movimentação poética daquele período.

Series Navigation<< Ricardo Chacal, Marginal MagistralAna C. César: aventura em versos >>